| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

tehdely01

Page history last edited by Bee 14 years, 9 months ago

Sobre o fracasso da Amazon, Meta-Trolls e Bantown (original/tradutores)

 

Aviso: Por favor note que isto é apenas uma teoria, e tôme-a como tal.

 

* ram-ram *

 

Links relevantes primeiro:

 

 

 

Basicamente, #amazonfail é o nome para a cagada geral que não pára de aumentar iniciada no domingo de Páscoa para falar da decisão repentina da Amazon.com de colocar quaisquer livros com conteúdo LGBT em uma lista negra, impedindo-os de aparecer na lista de mais vendidos ou em resultados de busca. A lista negra aparentemente se estende para livros de temática feminista, que falem de estupros, etc. As queixas iniciais à Amazon resultaram na insensivel resposta, que só fez aborrecer mais pessoas:

 

Em consideração ao conjunto dos nossos clientes, nós excluímos material "adulto" de aparecer em algumas pesquisas e listas de mais vendidos. Já que essas listas são geradas usando rankings de vendas, material adulto também deveria ser excluído desse serviço.

 

"CONTEÚDO GAY É CONTEÚDO ADULTO? SOBREVIVER A ESTUPRO É CONTEÚDO ADULTO??? COMO OUSA AMAZON RRRRRRR FÚRIA NA INTERNET!" responderam as massas, apontando livremente que pornografia heterossexual e brinquedos eróticos continuavam aparecendo nos resultados de busca na Amazon (ou livros sobre rinhas de cães ou romances de banca de revista ou Minha Luta ou qualquer coisa que seria considerada "questionável" por quaisquer padrões razoáveis). Claramente, era um caso de dois pesos, duas medidas.

 

Agora, vamos nos colocar no lugar da Amazon. Lembre-se que a Amazon é uma companhia convencida, suficientemente liberal, que escolheu para ser seu quartel general, entre todas as cidades, a porra de Seattle, e, da última vez que eu conferi, Jeff Bezos não era exatamente um fundamentalista Cristão. Por que diabos eles resolveram censurar, repentinamente, um grupo específico de conteúdos que diz respeito a uma comunidade marginalizada e políticamente ativa? Por que esta política mudaria, não para assumir a forma de uma política especifica, mas para discriminar somente certos títulos de conteúdo "adulto"? Por que isso aconteceria durante um final-de-semana?

 

É obvio que o Amazon tem algum tipo de mecanismo automático que marca um livro como "adulto" depois que muitas pessoas reclamam dele. Também é obvio que não existem muitas pessoas utilizando este recurso, como mostra a disponibilidade fácil (e ranking de busca) de pornografia e brinquedos sexuais e outros materiais aparentemente "censurável", senão quase todos esses itens teriam sido marcados a esta altura. Então, alguém anda por aí deliberadamente marcando somente o conteúdo LGBT/feminista/sobrevivente [de estupro] na Amazon até que ele seja "desranqueado" e se torne difícil de encontrar. Para o mundo lá de fora, isto pode parecer censura deliberada por parte da Amazon, já que é a Amazon que gerencia o serviço de internet em questão. Para mim, parece que é uma dessas duas coisas:

 

1. Algumas organizações "familiares" fizeram uma campanha pseudo-popular [do inglês: astroturfing] com a Amazon como uma tentativa de livrar o mundo da SUJEIRA MALIGNA PRO-HOMOSSEXUAL.

2. Bantown

 

Uma teoria começa aparecer. Agora deixe-me voltar ao passado por uns instantes e falar sobre um evento chamado Strikethrough, similar ao que aconteceu em minha companhia, a Six Apart, em 2007. Veja como o Strikethrough funcionou:

 

  • Alguém listou o Warriors for Innocence [Guerreiros da Inocência], uma organização tipo "To Catch a Predator" (mas significantemente mais fundamentalista e irracional) na batalha contra conteúdo "pedófilo" no LiveJournal.
  • Os Warrior of Innocence travaram uma Guerra Santa contra o Six Apart, consistindo não apenas em reclamações diretas ao Six Apart, mas também ameaçando envolver a mídia, ao mesmo tempo que em ameaçam diretamente empresas como o Google, que anunciavam no LiveJournal, para retirar seus anúncios, ou eles seriam vistos como incentivadores da pedofilia
  • A Six Apart, encarando um ataque repentino, inesperado e muitas frentes, reage precipitadamente, e, em uma mudança não divulgada e nem explicada de regras de uso, bane milhares de contas do LiveJournal por listarem certas palavras-chave delicadas em seus perfis, sem chance de apelo, e espera que os Warrior of Innocence vão deixá-los em paz.
  • A ação de banimento terminou por atingir principalmente autores de ficção e é tão devastadora que inclui comunidades que discutem obras conhecidas da literatura, comunidades de sobreviventes de incesto e estupro, e mais. O estrago colateral é gigantesco.
  • Usuários magoados levantam-se em massa e criam uma cagada generalizada de proporções que o Six Apart não via desde o desastre das "Boob Nazi"
  • Com o rabo entre as pernas, a Six Apart recua. Não muito tempo mais tarde, o LiveJournal é vendido para o SUP, que rapidamente derruba muitas das mudanças de regras de uso mais questionáveis.

 

Isso, meus amigos, é puro Bantown. O que é Bantown? Aqui vão algumas coisas que não são Bantown.

 

  • Uma organização de trolling
  • Um grupo de pessoas (pelo menos desde 2007)
  • Um canal IRC

 

Bantown é uma tática para incitar meta-lulz ["lulz" é gíria para humor cruel] em múltiplos níveis pela aproximação de terceiros [colocando-os] uns contra os outros. Bantown é como o enredo da maioria dos filmes James Bond, em que um abominável malfeitor incita Estados Unidos e União Soviética à guerra. Bantown é uma técnica de trolling em um nível superior, que normalmente põe comunidades umas contra outras, ou comunidades contra empresas, ou organizações contra companhias, ou companhias contra organizações... Para não parecer que eu demasiadamente assombrado, permitam-me listar alguns trolls do tipo Bantown que obtiveram sucesso: 

 

 

Destes, a cagada generalizada da Firefox, Nipplegate e Strikethrough se destacam. Amigos, #amazonfail é simplesmente mais do mesmo. Não quero dizer que nenhuma das mesmas pessoas estejam envolvidas, mas sim que a mesma táctica está envolvida, e que está trabalhando diabolicamente. Claramente também, esse troll foi perpetrado em um fim de semana e feriado, quando o serviço ao cliente Amazon seria operando com uma pequena equipe de plantão e a maioria daqueles que seria capaz de resolver o problema estaria em casa e possivelmente indisponível ou de férias. Além disso, como Nipplegate e Strikethrough, este troll contrapõe uma comunidade marginalizada e ativista contra uma grande empresa, com a ajuda da Internet e de todas as suas diversas mídias de discussão (neste caso, blogs e Twitter).

 

O Amazon vai gastar semanas para limpar essa bagunça de Relações Publicas. A confiança estará destruída para muitos, e talvez nunca seja consertada para alguns. As pessoas já mencionaram cancelar pedidos ou contas, e agora a discussão já chegou nos blogs com alcance massivo e jornais. E pode esperar que tudo isso dure por um tempo, e quando você coçar sua cabeça se perguntando o porquê da Amazon ter permitido que uma coisa dessas acontecesse, se lembre "eu te falei".

 

O evento inteiro também traz a mente o debate em andamento que eu tive a respeito dos méritos de trolling, que eu defino de forma muito simples como "explorar e demonstrar a fraqueza das relações de confiança online". Neste caso, é o relacionamento de confiança entre a Amazon e seus clientes, mediante os quais a Amazon se baseia para indicar o conteúdo questionável. Se expor vulnerabilidades em sistemas de confiança é, em si, um resultado positivo é todo um outro debate, semelhante ao debate sobre "a divulgação integral " no mundo da segurança na Internet. Eu gostaria de deixar quieto este debate, apesar de você ser bem-vindo a opinar sobre ele na área de comentários, se desejar :)

 

Algumas atualizações:

 

  • weev apresentou-se e reivindicou a responsabilidade pela #amazonfail, de forma semelhante à que eu descrevo acima. Eu não posso atestar se esta reivindicação é factual. Bryantrefuta.
  • Amazon agora afirma isso é uma falha. Apenas informação de segunda-mão parece estar disponível, não existe post oficial na Amazon até neste momento
  • Vale a pena notar que, durante o Strikethrough, nem todos na Six Apart foram ingênuos para a realidade do que estava acontecendo. Sinto que eu dei a entender diferente acima. O que eu posso dizer é que a Six Apart aprendeu muito com esse episódio sobre gestão de relações públicas e relacionamento com a sua comunidade de usuários; lições que tenho certeza a Amazon está aprendendo muito rápido agora.

 

Ainda outra atualização: Amazon declara erro de catalogação vergososo e desajeitado

 

O autor é um ex não-membro de um não-canal de IRC chamado Bantown, que não existe mais, nunca existiu e nunca existirá novamente. Ele também trabalhou na Six Apart durante o Strikethrough e disse em alto e bom som para seus superiores, sem sucesso, que eles estavam sendo provocados. O autor agora aproveita as coisas simples da vida, limita suas provocações às seções de comentários de blogs e jornais locais e é de longe uma pessoa melhor e mais feliz por causa disso. O autor não tem relação com nenhum dos Epic Trolls citados acima exceto por talvez não conhecer algumas das não-entidades envolvidas em suas não-transgressões

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.